.

sábado, 5 de julho de 2008

A obrigação de cumprir leis

Não existe lei ou ordenação para mim. ó amigo! Assim sendo, como posso dizer que a vitória ou a derrota me afetam? Eu sou, por natureza, a Liberdade Eterna além de todos os males.
(Avadhut Gita – capítulo 4 – versículo 14).

Paulo nos disse que é a lei que cria o pecado, o "errado", a derrota. Ao falar desse jeito, ele também disse que ela cria o "certo", a forma como as coisas devem ser feitas.

Ainda sobre leis, encontramos agora um mestre do monismo que nos fala que o espírito que se reconhece como ser universal não deve se subordinar às leis sejam elas planetárias, nacionais, locais ou pessoais.

Juntando as duas informações compreendemos o final deste ensinamento: "como posso dizer que a vitória ou a derrota me afetam?" Este ensinamento é Real, pois quem não se subordina a nenhuma lei não ganha nada (nunca está "certo"), mas também não perde (nunca está "errado"). Além disso, não vaga pelo mundo como um ser humano, pois está sempre presente conscientemente nele mesmo como elemento universal e em Deus.

É exatamente por isso que o mestre pode dizer que ele é, por natureza, a Liberdade Eterna, que está além de todos os males. Ele é livre dos códigos que geram o benefício e a derrota, pois já tem tudo o que qualquer ser do Universo pode ter: a consciência sobre o seu "eu" espiritual e a presença de Deus ao seu lado...

As leis universais

Vamos falar primeiro das regras de conduta cósmicas e morais espirituais. Depois falo das leis da matéria...

Qual o objetivo da existência de um espírito? Elevar-se. Para isso precisa "limpar-se" da sua sujeira (desacreditar nas ilusões criadas pelo ego) e retornar à consciência da unidade com Deus.

Realmente, a primeira vista e baseado nos ensinamentos religiosos disponíveis no orbe planetário, poderíamos dizer que buscar a elevação espiritual é uma lei universal, ou seja, todo espírito deve fazê-la. Mas, será que esta lei é universal, ou seja, será que ela existe na Realidade. Vejamos...

Como está ensinado em "O Livro dos Espíritos" buscar a elevação espiritual não pode ser considerada uma lei, pois Deus concede ao espírito o livre arbítrio de realizar ou não a sua reforma íntima. O progresso espiritual é uma conquista realizada por decisão de foro íntimo e não uma obrigação imposta pelo Senhor do Universo.

Se o espírito quiser viver preso à ilusão do maya – não vou falar eternamente, pois nada é para sempre – mas por muito "tempo", Deus não agirá contra. Na verdade Ele não pode interferir na decisão que o espírito toma. O máximo que pode fazer é "organizar a casa" (gerar pela Causa Primária as devidas ações carmáticas) para que o equilíbrio universal não se afete por causa disso.

Portanto, não se pode dizer que a elevação espiritual seja uma lei universal, tendo em vista que qualquer dispositivo legal tem por finalidade precípua gerar a obrigação de que algo seja feito e outras coisas não sejam mais realizadas.

Vamos pensar, então, em outra lei para vermos se somos obrigados a cumpri-la? Para facilitar nosso trabalho, lembremo-nos que Cristo resumiu todas as leis universais em amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo. Por isso, analisemos se a este código devemos subordinação.

Não importa qual seja a lei, a resposta para nossa análise estará sempre no conhecimento do livre arbítrio. O que é o livre arbítrio? Uma livre opção de fazer ou não alguma coisa; o direito de optar pelo que se quer fazer.

Quem nos concede esta livre opção? Deus. Sendo assim, posso dizer que Deus lhe deu o direito de fazer o que quiser, inclusive de não amar...

Sim, Deus lhe deu o direito de não amar. Se você não quiser, não é obrigado a amar o próximo: isso só acontecerá se for fruto de uma livre escolha. Se você não quiser, não é obrigado a amar a Deus sobre todas as coisas. Para colocar em prática este ensinamento terá que fazer uma opção.

Sendo assim, o que Cristo ensinou não pode ser considerado como uma lei à qual o ser humanizado é obrigado a se subordinar. Isso acontece porque toda lei, para poder ser considerada como tal, gera obrigações.

Para que um texto tenha um cunho legal é preciso que ele obrigue a que determinada coisa seja feita. Um código de lei não pode ser escrito da seguinte forma: "se você quiser faça assim..." Ele precisa dizer o que deve e pode ou não deve e não pode ser feito. Ou seja, ele precisa ser taxativo: "faça isso"; "não faça aquilo".

Portanto, se até o ensinamento que resume todas as leis (o de Cristo que manda amar a tudo e a todos) não pode ser interpretado como um código legal, que lei existe no Universo que precisa ser cumprida obrigatoriamente? Nenhuma...

Saiba: no Universo não existem leis às quais você precise se subordinar. O que existe são apenas caminhos sugeridos por Deus através de mestres para aqueles que, de posse do seu livre arbítrio, optarem por seguí-los. Os ensinamentos dos mestres não geram leis que precisem ser seguidas obrigatoriamente, mas expõe caminhos para que o ser universal opte por um por outro.

Opa... Ia me esquecendo... Existe uma lei universal sim: a lei do carma ou o código normativo que diz que cada um recebe de acordo com as suas obras, de acordo com a ação do seu livre arbítrio... Mas, nem mesmo este, não podemos chamar de lei.

O que é conhecido no planeta Terra como "lei do carma", na verdade não pode ser considerado gerador de uma obrigação – a obrigação de dar a quem fez o resultado do que ele fez. Isso porque o efeito gerado por uma causa não surge de uma obrigação, mas trata-se de uma conseqüência natural da Justiça Suprema e do Amor Sublime de Deus.

O Pai não aplica a conseqüência a uma causa porque é obrigado a isso, mas sim porque tem a consciência Justa. Além do mais, Ele não faz para penalizar a quem quer que seja, mas sim para proporcionar uma nova oportunidade para o espírito, utilizando-se do seu livre arbítrio, realizar a reforma íntima e assim alcançar a elevação espiritual.

Sendo assim, a famosa "lei do carma" não é uma lei, pois não gera obrigações a Deus. O Pai não gera a ação carmática por obrigação, mas sim por conta de sua Justiça e Amor. Aliás, seria muito engraçado pensarmos que Deus, que tem todas as suas propriedades elevadas ao expoente máximo e portanto, é a própria Lei, se subordinasse a alguma coisa...

Portanto, nem aquilo que é conhecido pelos terrestres como lei suprema o é, pois se trata de uma ação que surge espontaneamente da consciência de Deus e não gerada por subordinação a obrigações legais..

Não me lembro de nenhuma outra lei no Universo. Nos exemplos que usamos acima contemplamos aquilo que é chamado de lei do amor, de lei do trabalho, de lei da adoração, do carma... Que mais existe que pode ser reconhecido como um código impositivo? Se lembrar me diga, pois não lembro...

Resumindo então, digo que não há leis no Universo às quais obrigatoriamente você deve se subordinar. Não existem imposições.

Eu sou a Liberdade Total: o espírito é completamente livre de todas as amarras, de todas as leis.

A liberdade do ser universal é tamanha que, mesmo que temporariamente iludido pelo ego, ele ainda é livre para se aprisionar ou não ao criador de ilusões. Repare bem o que eu disse: a liberdade do espírito é tão grande que ele é livre para se aprisionar às ilusões ou não. Deus deixa isso para a decisão do livre arbítrio de cada um.

Todo ser universal possui caminhos que podem ser seguidos ou não. O que quero deixar bem claro é que estes caminhos não precisam ser obrigatoriamente seguidos.

Há muitas moradas na casa do meu Pai: já disse Cristo. Portanto veja: você não é obrigado a seguir nenhum determinado caminho, uma lei. Se seguí-lo será por opção e não por obrigação.

Vimos, então, a subordinação no tocante às leis morais e de comportamento. Ampliando à resposta, falo agora na lei das coisas materiais.

Para a humanidade, o que regula o funcionamento das coisas materiais são as leis científicas. Para isso existem as leis da física, que determinam algumas coisas, as da biologia, que determinam outras e as da química, que determinam coisas diferentes. Mas, o que são os elementos físicos, químicos ou biológicos senão composições de fluído cósmico universal?

Se pensarmos dessa forma – que todos os elementos conhecidos são derivações de combinações do fluído primário, como diz "O Livro dos Espíritos" – podemos dizer que existe apenas uma lei universal para reger os elementos materiais: a que rege o fluído cósmico universal. Esta lei rege o funcionamento da única coisa que é Real e, portanto, não precisa haver diversas leis que criam obrigações para os elementos materiais.

Se isso é verdade, temos, por fim, uma lei universal: a que rege a atividade dos princípios universais. Mas, que lei é essa? A que Deus criar. Como ensinado na pergunta sete de O Livro dos Espíritos, a propriedade íntima de cada coisa é determinada pelo "faça-se" de Deus. É deste "faça-se" que exprime a vontade do Senhor que surgem as diferentes propriedades que o fluído cósmico universal possui ao constituir essa ou aquela matéria.

O fluído cósmico universal é de uma amplitude tão grande, tão gigante, ao combinar-se para formar todas as coisas conhecidas pela humanidade, que se nós nos apegarmos a qualquer lei estaremos abandonando uma parte da realidade. Sendo assim, pergunto: quem se atreve a dizer que tal ou tal propriedade é eterna, sempre estará presente?

É não existe lei alguma... Nem a lei que vocês chamam de científica da matéria existe. Elas na verdade são apenas pequenos pedaços das propriedades – não leis – do elemento primário universal que são conhecidos pela humanidade.

Compreendeu a questão da lei? Mas, eu poderia ter lhe respondido de uma forma mais simples...

Poderia ter lhe dito que toda lei conhecida por vocês é fruto de uma ação racional, portanto gerada pelo ego. Sendo assim, se tratam de ilusões que precisam passar pelo processo de reforma para se alcançar a elevação espiritual...

As leis humanas são instrumentos para que o ser humano crie para o espírito a ilusão que servirá de carma a este. Concordo que as leis humanas, inclusive as religiosas são instrumentos carmáticos, mas pergunto: o que, para você é essa ação carmática? O que está sendo vivenciado em realidade naquele momento em que o ser humano se defronta com uma lei?

O que está acontecendo em um determinado momento? A formação mental (pensamento) que gera a obrigação de se cumprir à lei. Isso é o que você está vivenciando quando o ego cria formações mentais que contenham códigos normativos.

Portanto, as leis são instrumentos carmáticos que Deus coloca nesse sentido: para ver se o espírito vai amar mais a Deus, ou seja, vai vivenciar a formação mental de uma forma amorosa (sem obrigações) ou apegar-se-á ao ter que cumprir ou não a lei.

Essa é a ação carmática. Para que ela aconteça é necessário que haja a lei, que é um instrumento carmático para esta ação.

Como Deus é o Senhor dos carmas, posso dizer, então, que as leis são emanações Dele. Mas, não com a intenção de criar uma obrigação a qualquer um, mas como instrumento para uma ação carmática que cria uma oportunidade de elevação espiritual.

A partir daí o espírito tem, então, a oportunidade de exercer o livre arbítrio: se prender a uma obrigação – com isso vivenciará o acontecimento com a consciência de que lei é para ser cumprida – ou se recolher à sua espiritualidade e assistir ao seu personagem cumprir ou não a lei.

É nesse sentido que os códigos de norma funcionam como instrumentos das acções carmáticas.

-------------------------------------------------------------------------------

Sem comentários: