.

domingo, 16 de outubro de 2011

A violência do desemprego


.:: IN: JUSTIÇA e AMOR - cap. III - AS VÁRIAS FACES da VIOLÊNCIA ::.



- 1. A violência do desemprego
Espírito: CAMILO
Psicografia : J. Raúl Teixeira


1. A violência do desemprego

Inquestionávelmente, é por meio do trabalho que a pessoa alcança o progresso pelo qual anela, desde o bem estar material até ao desenvolvimento da inteligência, porque o trabalho é um instrumento, do qual se vale a Divindade, para dar ensejo a cada um de ser útil ao seu semelhante, aplicando-se em exteriorizar sua bagagem de pretéritas conquistas, aprimoradas pelo burilamento atual e pelos novos conhecimentos que passam a ornar-lhe a personalidade.

Entrementes, enquanto a muitos o trabalho repugna, preferindo uma vida de aventuras e extorsão do semelhante, de modos variados, a outros, que anseiam por se ocuparem, efectiva e nobremente, desaparecem as oportunidades, quando não se apresentam exíguas, quase inexistentes, obrigando-os a estágios de bastardas necessidades, de penúria ou mesmo de miséria.

Em O Livro dos Espíritos , Allan Kardec, em felicíssima observação [(LE. perg. 685-a (nota)], faz um notável escorço de economia social, ao dizer que "não basta dizer ao homem que ele deve trabalhar, é preciso que aquele que quer viver do seu labor encontre em que se ocupar, e é o que nem sempre acontece. Quando a suspensão do trabalho se generaliza, adquire as proporções de um flagelo como a miséria".

A partir disso, entendemos que as práticas económicas, geradas pelo sistema capitalista, que impõem a ciranda financeira que, por seu turno, valoriza o capital e desmerece o trabalho, têm algo de selvageria, e será, invariavelmete, prejudicial ao progresso coletivo, facilitando, de forma perversa, o hiperenriquecimento de uns poucos.

Embora sejamos conscientes de que muitas criaturas se acham no mundo actual nos compromissos de pesados resgates, não se pode silenciar, de maneira cobarde, diante dos que se transformam em peças do escândalo ou braço não requisitado da Justiça de Cima.

Acompanhe-se, na Terra, o processo escorchante de vida imposto a muitas sociedades, significando gritantes contextos de violência, a exigir, das autoridades constituídas do mundo político-económico, a necessária correcção do passo, pelo reordenamento da economia, permitindo que os indivíduos possam ganhar a vida com dignidade, longe dos fantasmas criados pelo desemprego, costumeiramente nomeados de criminalidade, prostituição, drogadicção... violência.


N.B.: Aconselhamos a LEITURA integral destes textos no livro abaixo mencionado.

Todos os Direitos Autorais Reservados:
IN: JUSTIÇA e AMOR
pelo espírito Camilo
Psicografia: J. Raúl Teixeira Editora : Editora Frater

Niterói - RJ - Brasil 1997

Sem comentários: